Facebook

Erva poejo

Erva poejo

Poejo: planta medicinal com efeito digestivo, expectorante, antimicrobiano, antiespasmódico. Seu uso interno faz-se através de infusões e tintura, o uso externo através de folhas secas, pó e infusão.

Nomes
Nome em português: Poejo, hortelãzinho, erva-de-são-lourenço, menta-selvagem, Poejo-real e Poejo-das-hortas
Nome latim: Mentha pulegium L.
Nome inglês: Pennyroyal
Nome francês: Menthe pouliot
Nome alemão: Polei-Minze
Nome italiano: Menta poleggio
Nome espanhol: Poleo

Família
Lamiaceae

Componentes
Taninos, carvona, pulegona e mentol.

Partes utilizadas
Toda a planta (Folhas, talos e flores), ramos.

Efeitos do poejo
Uso interno
Digestivo, expectorante, antimicrobiano, antiespasmódico.

Propriedades do poejo

Poejo é uma planta medicinal, de nome científico Mentha Pulegium, da família das lamiáceas que pode ser utilizada para o tratamento de diversas doenças como diabetes, má digestão, gripes e resfriados. O poejo também é conhecido popularmente como hortelazinho.

Propriedades do poejo

Contém flavonóides, ácidos fenólicos, substâncias amargas, taninos e óleo essencial.

Para que serve o poejo

Tosse, falta de apetite, digestão difícil, gases, cólicas intestinais, coriza, gripe, resfriado, catarro, bronquite, asma, vermes intestinais, febre, transtornos menstruais, crise nervosa, reumatismo, pode ser utilizado externamente nas infecções cutâneas.

Modo de uso do poejo

Chá: Colocar 10 gramas de poejo numa panela e cobrir com 200 ml de água fervente. Abafar até amornar, coar e beber a seguir. Recomenda-se tomar de 2 a 3 xícaras por dia.

Efeitos colaterais do poejo

Pode causar aborto quando consumido na gestação e paralisar a respiração quando é consumido em doses excessivas.

Contraindicações do poejo

Crianças menores de 12 anos e grávidas.

Erva Aromática - O Poejo

Erva Aromática - O Poejo
Hoje escolhi o Poejo como história principal.

O poejo cresce em solos húmidos e alcalinos, geralmente perto de lagos e rios, aqui na aldeia chamamos-lhe açudes ou mais propriamente barragens.
Em locais não húmidos, a planta cresce mas fica bem rasteira. Pede clima ameno, com muita claridade mas sem incidência directa de sol, solo leve e rico em matéria orgânica.

Deve ser plantado na primavera ou no outono. Mas eu na minha horta não planto ou seja ele já está acomodado na minha terra e cresce durante todo o ano.
O poejo é uma planta rasteira, com folhas pequenas e ovais que cheiram a hortelã. A palavra pulegium vem da palavra pulex, que em latim quer dizer pulga.

Antigamente costumava-se queimar o poejo dentro das casas para repelir insectos. O poejo é uma planta originária do Mediterrâneo e Ásia Ocidental, muito utilizada pelos chineses antigos para fins medicinais, na aromaterapia, ou por povos antigos na confecção de coroas para cerimónias.
O Poejo é planta medicinal com efeito digestivo, expectorante, anti microbiano, anti espasmódico. O seu uso interno faz-se através de infusões, o uso externo através de folhas secas, pó e também por infusão.

Além desses usos antigos, hoje em dia também é usado na culinária como tempero. Eu pessoalmente uso como infusão e em culinária ... É excelente!!! E além disso gosto muito do cheiro também, sendo calmante é natural.
Também há quem faça Licor de Poejo. Uma bebida espirituosa para beber calmamente e sentir os aromas da terra e todo o seu envolvente do campo.

Na Aldeia nós costumamos fazer o que se chama de Poejada. Um prato simples e singelo com um aroma único e sabor característico.
Também conhecida como a sopa dos pobres, recuando um pouco atrás no tempo e como dizem por aqui, só se comiam sopas com sopas de pão!
Regra geral fas-ze a Poejada com Bacalhau, mas como já tinha comido bacalhau no dia anterior, resolvi fazer com tamboril e ficou extremamente saboroso e com uma qualidade riquíssima.

Poejo Nome científico: Mentha pulegium

Poejo

Nome científico: Mentha pulegium

Nomes populares: poejo, menta selvagem, erva de São Lourenço

Família: Labiadas

Origem: Originário da Eurásia, é uma espécie de menta muita difundida na Europa. Alguns povos da Antigüidade usavam o poejo para confeccionar coroas empregadas em cerimônias religiosas. Os antigos chineses também já faziam referências a suas virtudes calmantes e antiespasmódicas.

Características: Planta vivaz, perene, de 30 a 50 cm de altura, com talos erguidos ou prostrados, folhas pequeninas, verde escuras. Flores brancas, lilases ou radas. A planta desprende um aroma adocicado, agradável. Gosta de solo úmido, exposto ao sol ou meia sombra.

Parte utilizada: Folhas, talos e flores.

Utilização: O poejo atua como digestivo, expectorante e antiespasmódico. Em uso tópico é bom cicatrizante e antiséptico. Isso devido a seu óleo essencial e taninos, além da carvona, pulegona e mentol.

Medicinal: Planta utilizada para aliviar azia, fraqueza estomacal, enjôos, má digestão, flatulências, cólicas abdominais, nervosismo, fermentação e inflamação intestinal, insônia, irregularidades menstruais, tosses catarrais. É um excelente coadjuvante para estados gripais. Infusão é feita na proporção de 2 colheres de sopa para um litro de água fervente, tomar 3 xícaras por dia. A ingestão da planta também é indicada no combate a vermes intestinais. Um escalda pés de poejo também é excelente para alívio da gripe e resfriados.

Caseira: Aplicado sobre picadas de insetos ajuda a aliviar a dor; bom repelente para traças. Uma cama de poejo na casa dos animais ajuda a afastar as pulgas. Bom repelente de insetos. Perfuma sachês e potpourris.

Cosmética: O poejo presta-se a um delicioso banho estimulante. Ferva 100 gs de folha em 2 litros de água por 10 minutos. Coe e dissolva 2 colheres de sal grosso. Acrescente à banheira.

Culinária: Chás refrescantes de verão e também usado nos molhos de mentas para acompanhar carnes de carneiro e ovelha.

Mágica: Usado nas viagens dentro dos sapatos, evita enjôos de ar e mar. Erva da paz. Plantada perto da casa acaba com as brigas. Traz saúde e alegria para as famílias. Boa para proteção.

Observação: Como as demais mentas, o poejo não deve ser consumido em grandes quantidades, pois a pulegona contida na planta pode exercer ação paralisante sobre o bulbo raquidiano.

Conheça historias de quem emagreceu