Facebook

Erva Guiné

Erva Guiné

Conheça o poder e a proteção das sete ervas Natureza é saúde e bem estar. Todos sabem, mesmo que de forma intuitiva, que as plantas e flores naturais, além de embelezar, transmitem ao ambiente e às pessoas boas energias e ótimas vibrações. Isso acontece porque as plantas emitem e trocam energia com os ambientes e as pessoas, influenciando tudo e todos. Cada planta ou erva tem seu poder de vibração particular e especial, mas quando combinadas entre si, podem aumentar ainda mais seus poderes e vibrações. Um exemplo bem prático são as sete ervas. Elas têm um super poder de combater as energias negativas, seja na residência ou trabalho. São formadas pelas seguintes plantas: arruda, guiné, alecrim, comigo-ninguém-pode, espada de São Jorge, majericão e pimenteira. Um vaso com as sete ervas pode ser colocado em qualquer ambiente que se deseja proteção e limpeza energética. Coloque na sala, na porta de entrada, no hall ou varanda, na sua cozinha, na recepção ou no escritório, ao lado de sua mesa de trabalho. Porém, stes ambientes devem tem abertura para áreas externas como janelas e portas, pois estas plantas precisam de luz, sol e ar circulando. Este vaso te dará sorte e boas energias, mas antes de usar as plantas, conheça com mais detalhes suas propriedades. Veja, abaixo, as propriedades das sete ervas e para que servem cada uma delas: Arruda: é umas das ervas mais poderosas para combater inveja e olho-gordo. A arruda já era conhecida e usada na antiga Grécia e Roma. Foi popularizada no Brasil pelas escravas na época na colonização. Quando colocada num ambiente, além de proteger, emite vibrações de prosperidade e entusiasmo. Podemos ter sempre um galho de arruda junto ao corpo para reter as energias negativas. Guiné: em um ambiente tem o poder de criar um "campo de força" de proteção, bloqueando as energias negativas e emitindo vibrações otimistas. Atrai sorte e felicidade. Cria uma energia de bem-estar nos ambientes.

Guiné ou Rabo de Gambá

A Guiné ou Rabo de Gambá (Petiveria tetrandra) é um arbusto ou subarbusto de cerca de meio a um metro de altura, de ramos angulosos, sulcados-estriados, pubescentes ou quase glabros, subflexuosos, dilatados nos nós. Folhas alternas, patentes, curtamente pecioladas, oblongo-lanceoladas, acuminadas, integerrimas, mais ou menos ondeadas, de base cuneiforme estriada num pecíolo canaliculado de cerca de 5mm de comprimento, levemente mebranaceas, com a nervura mediana proeminente na face inferior e as nervuras secundarias arqueadas, glabras em ambas as páginas, exceto na face superior das nervuras de cor verde escura na página superior e mais clara na inferior. Medem de 5 a 10cm de comprimento por dois a seis centímetros de largura. Estipulas duas, subuladas, pequenissimas, caducas, freqüentemente obsoletas. Inflorescência terminal ou axilar em racemos que, devido a extrema curteza dos pendúnculos florais, simulam espigas delgadas, eretas, algumas vezes subramosas na base, de dez a quinze centímetros de comprimento, afilas. Raiz fusiforme, irregularmente ramificada de comprimento variável ; sua superfície externa é de cor pardo acinzentada clara e pardo amarelada, finamente estriada no sentido longitudinal, apresentando cicatrizes verrucosas.

Planta Guiné

Conheça as propriedades medicinais e quais os beneficios da Planta Guiné de nome cientifico (Petiveria alliacea). Ao contrário do que o nome da planta guiné indica esta é Oiginária da Colômbia e Venezuela e nada tem a ver com a guiné. É uma erva conhecida por muitos outros nomes, como por exemplo (erva de alho) e utilizada para muitos fins medicinais. É indicada para a acistite, reumatismos; bochecha-se para aliviar gengivas e evitar cáries. Juntamente com o teixo, são plantas consideradas anticancerígenas. Desinflama, dissolve tumores, furúnculos e abcessos. A planta guiné contém triterpenos, isoarborinol (acetato e cinamato) e um macrólido com actividade antitumoral. É antiespasmódica, anti-inflamatôria, diurética, abortiva e vermífuga. O uso excessivo ou inadequado produz irritação da mucosa gastrointestinal, cefaleia e enjoos. Recomenda-se em casos de afonia, cancro, cistite, inflamação, reumatismo e parasitose; não se recomendam as raízes às mulheres grávidas.

Propriedades Medicinais

Esse nome, Guiné vem da origem dessa erva, trazida pelos escravos africanos. Melhor dizendo, trazida pelos conhecedores dos segredos das ervas, sabedores da força de purificação e limpeza áurica dessa poderosa planta. Propriedades Medicinais Partes Usadas: Raiz e folhas Princípios ativos: Óleo essencial; Pitiverina, resina inerte, ácido resinoso, glicose. Usada como estimulante na paralisia, sudorifera e alexifera. Em altas doses é abortiva e segundo alguns provoca loucura quando de seu uso contínuo. Seu envenenamento é lento e no período agudo determina superexcitação, insônia e quase alucinação. Depois de poucos dias sintomas opostos: indiferença, chegando a imbecilidade, fraqueza cerebral, pequenas convulsões depois tetaniformes, mudes por paralisia da laringe e morte ao fim de um ano, dependendo da dose. Deve ser usada em doses regulas e não sucessivas no caso de paralisia. Era muito usada pelos negros como arma de vingança contra seus patrões, por isso o nome de Amansa senhor. Contra picadas de insetos, coloca-se as folhas ou folhas e galhos imersos em álcool, até que seu sumo seja dissolvido. Aplica-se no local das picadas, imediatamente ao acontecerem. Para picadas de aranhas, é recomendado compressa. Utilizada no tratamento de sarna. Coloca-se as raízes em molho no álcool, deixar por alguns dias até que as substâncias sejam liberadas no álcool. Aplicar o álcool sobre a área afetada. Pode ser usada em animais e humanos.

Conheça historias de quem emagreceu