Facebook

Hamamelis Pó

Hamamelis Pó

Hamamelis virginiana Descrição : Da família das Hamameliadáceas, também conhecida como vassoura de bruxa, aveleira de bruxa. A hamamelis é um arbusto ou uma pequena árvore decidua, que frequentemente chega a aproximadamente 6 metros de altura. A planta é encontrada na maioria da América do Norte. Suas folhas largas e dentadas são ovadas, as flores amarelo-douradas florescem no outono. As frutas em cápsulas marrons aparecem após as flores, e quando maduras langam suas duas sementes longe da árvore. As folhas, a casca do tronco, e os galhos secos são usados medicinalmente. Partes Utilizadas - Folhas e a casca. Habitat: EE.UU.e Canadá. História: A hamamelis e uma planta muito conhecida e com uma longa história de uso nas Américas; Uma fonte lista mais de 30 usos tradicionais da hamamelis incluindo o tratamento das hemorróidas, queimaduras, cânceres, tuberculose, resfriados, e febre. Tradicionalmente, a hamamelis era conhecida pelos nativos norte-americanos como um tratamento para tumores e inflamações do olho. Seu uso interno era para estancar hemorragias; Os colonos europeus do século XVII aprenderam o valor da planta por suas ações adstringentes, é ainda hoje usada para esta e outras finalidades. Plantio : Multiplicação: sementes (formação de mudas); Cultivo: Planta originária da América do Norte. Prefere clima temperado e tolera solos fracos e secos. Planta-se as mudas em setembro e outubro em espaçamento de 8m X 8m. Colheita: Colhem-se as folhas no verão, galhos e cascas são retirados no outono ou no inverno, quando caem as folhas. Propriedades : Tônico venoso, hemostático, sedativo ocular. Indicações : Varizes, flebites, pernas cansadas e hemorróidas. Combate dermatites, eczemas, pele sêca e rugas. Uso pediátrico: As mesmas indicações possíveis. Uso na gestação e na lactação: Informação sobre a segurança e eficácia da hamamelis durante a gravidez e a amamentação não foi encontrada. Não se aconselha seu uso. Principios Ativos : Folhas: Taninos: hamamelitanino, digaloilhamamelose e outros galotaninos; Casca: hamamelitanino e taninos condensados; Outros componentes: Flavonoides: kaempferol, quercetina: Ácido gálico; Saponinas; Óleo fixo e óleo volátil: safrol, eugenol, resina, cera, e colina; A água de hamamelis é um destilado de vapor do extrato, não contém nenhum tanino.

Como Usar Hamamélis para Reduzir Hemorroidas

Você sabia que é possível fazer seus próprios lenços caseiros para hemorroidas com hamamélis e lenços umedecidos? A hamamélis era usada pelos índios norte-americanos devido a suas propriedades medicinais; trata-se um anti-inflamatório natural que pode ser usado facilmente para reduzir hemorroidas. Para uso regular 1Adquira hamamélis na forma de adstringente líquido e um pacote de lenços umedecidos. Caso precise de muitos lenços e queira economizar dinheiro, compre lenços umedecidos em uma embalagem de refil. Coloque todo o conteúdo do frasco de hamamélis dentro de um recipiente novo de lenços umedecidos. Para garantir a saturação completa dos lenços, separe-os em seções e despeje um pouco do líquido em cada uma delas. Limpe a área afetada com os lenços de hamamélis. Você deve fazer o mesmo tipo de movimento com o lenço como se estivesse usando papel higiênico. Continue usando os lenços de hamamélis regularmente até o sua hemorroida seja curada. Siga os mesmos passos acima, com algumas considerações adicionais. Por exemplo, você deve verificar com seu médico se a hamamélis pode apresentar algum tipo de efeito adverso quanto à sua gravidez. Invista em algumas outras táticas para a prevenção de hemorroidas. Uma vez que a hemorroida é recorrente durante a gravidez, você deve ter mais de um método disponível para se livrar deste incômodo, como a prescrição de anestésicos tópicos. Se a sua dor aumentar ou se você experimentar sangramento excessivo, consulte o seu médico o quanto antes. Você precisa se o mais cuidadosa possível por causa de seu bebê; mesmo que você pense se tratar de algo menor ou temporário, uma opinião médica não fará mal.

Jeitos Diferentes de Usar Hamamélis

Confira diferentes maneiras de usar hamamélis, a planta nativa da América do Norte, no dia a dia doméstico Arbusto que chega a atingir 6 metros de altura, a hamamélis, planta nativa da América do Norte ganhou fama por seus lendários poderes mágicos - por isso seu nome em inglês é witch hazel (aveleira-de-bruxa). Misticismos à parte, seus princípios ativos (tanino, flavonoides e saponinas) são eficazes para a limpeza ... Faça o chá de hamamélis e comprove! 1. Removedor eficaz Seu filho colou adesivos em toda a vidraça da janela do quarto e agora é hora de tirá-los? A maioria dos autocolantes saem facilmente, mas sempre tem aqueles que deixam uma marca pegajosa que teima em não sair. Encharque um chumaço de algodão com chá de hamamélis e mantenha-o por cerca de dois minutos sobre as áreas grudentas. Os princípios ativos da planta dissolvem a cola e depois é só raspar delicadamente com uma espátula ou faca, tomando cuidado para não arranhar o vidro. 2. Colarinho brilhante Seu marido se cortou enquanto fazia a barba e o sangue sujou o colarinho. Experimente mergulhar a parte manchada em chá de hamamélis por 30 minutos. As saponinas ajudam a dissolver as proteínas do sangue eliminando a mancha. Depois é só lavar a camisa normalmente, em água fria. 3. Fotos sem manchas A dica acima, para proteger os documentos, também pode ser usada para eliminar manchinhas de digitais em fotos impressas. O efeito adstringente da hamamélis retira a oleosidade que causou a marca. Mas é preciso cuidado para não estragar a imagem! O ideal é treinar antes para pegar o jeito, usando o algodão embebido no chá bem espremido, quase seco, e passando apenas uma vez (e muito de leve) sobre a mancha.

Hamamélis Família Botânica: Hamamelidaceae

Hamamélis Nativo da América do Norte, a Hamamélis era altamente valorizada pelos índios da região, os quais ensinaram os colonizadores europeus como fazer decocções de galhos, brotos e folhas. Atualmente, a Hamamélis é utilizada como um adstringente, feito a partir da destilação de casca e folhas, misturada em seguida com álcool e água. É um arbusto decíduo ou pequena árvore, podendo chegar a 5 metros de altura, com cascas marrom-acinzentadas; folhas simples rugosas, com pêlos estrelados quando jovens, alternas, ovais, ovalo-romboidais ou obovadas, às vezes ligeiramente lobuladas, assimétricas em relação à nervura central, de coloração pardo-esverdeada na superfície superior e verde-clara na inferior, 5-12 cm de comprimento e 3-8 cm de largura; margem irregularmente dentada; ápice agudo ou obtuso; base obtusa ou subcordada, assimétrica; pecíolos de 1-2 cm de comprimento; flores aromáticas, com pétalas amarelas lembrando tiras retorcidas, abrindo-se depois que as folhas já caíram dos galhos; as sementes, de um preto brilhante, ficam contidas em cápsulas marrons. Nome Científico: Hamamelis virginiana L. Sinonímia: Hamamelis androgyna Walt., Hamamelis caroliniana Walt., Hamamelis corylifolia Moench., Hamamelis dentata Raf., Hamamelis dioica Walt., Hamamelis hyemalis Rani., Hamamelis macrophylla Pursh., Hamamelis nigra Rafin., Hamamelis parvifolia Rafin., Hamamelis rotundifolia Rafin., Hamamelis virginica L., Trilopus dentata Rafin. Nome Popular: Hamamélis, Amieiro-moscado, Aveleira-de-feiticeira, Hamamele, no Brasil; Amamelide, na Itália; Flor do Inverno, Hamamele, em Portugal; Noisetier de la Sorcière, Hamamélis de Virginie, na França; Virginischer Zauberstrauch, na Alemanha; Avellano de la Bruja, Hamamelis, em língua espanhola; Hamamelis, Hazel Nut, Snapping Hazel, Spotted Alder, Striped Alder, Tobacco Wood e Winterbloom, em inglês. Denominação Homeopática: HAMAMELIS. Família Botânica: Hamamelidaceae. Parte Utilizada: Casca e folhas. Princípios Ativos: • Folhas: Óleo Essencial : rico em álcoois, ésteres, compostos carbonílicos e safrol; Taninos: uma combinação de taninos gálicos (flobatanino) e catacóis condensados. A presença do hamamelitanino é duvidosa. • Casca: Taninos (10-12%): hamamelitanino , ,  (6%), taninos condensados (galocatequina, epigalocatequina) e monogaíhamamelose; Óleo Essencial (0,5%): rico em eugenol, hexenol, safrol,  e -iononas, sesquiterpenos. Indicações e Ação Farmacológica: Os taninos produzem um efeito adstringente (e por isso são indicados como antidiarréico, hemostático local e cicatrizante) e bactericida. A propriedade adstringente é caracterizada por precipitar proteínas das células superficiais das mucosas e tecidos, formando revestimentos protetores, diminuindo as secreções e protegendo das infecções. Também diminuem a sensibilidade da pele, sendo útil no tratamento de queimaduras. É muito usado em fórmulas de loções capilares e shampoos, estimulando a formação do epitélio e ativando a circulação da pele. O extrato aquoso de Hamamélis tem demonstrado por via interna em ratos, atividade antiinflamatória, enquanto que a aplicação local de extratos de folhas de Hamamélis provoca um efeito hipotérmico por vasoconstrição local (Duwiwjua M. et al., 1994). Na homorróida, tanto por via interna (associado com Ginkgo biloba e Plantago ovato) quanto por via externa, o Hamamélis tem evidenciado atividade antiinflamatória aplicando-se sob a forma de água de Hamamélis (Korting H. et al., 1993). Os hamamelitaninos (taninos presentes na casca) demonstraram possuir atividade antioxidante contra radicais superóxido, inibindo também a despolimerização do ácido hialurônico e provocando, a contração da túnica muscular das veias (Bernard P., 1977). O conjunto de taninos conferem as famosas propriedades adstringentes e hemostáticas quando se utilizam formas galênicas de uso tópica feitas de Hamamélis (Masaki H. et al., 1993). Os flavonóides proporcionam um efeito vitamínico P, produzindo uma ação flebotônica, vasoprotetora e capilarotrópica, uma vez que diminuem a permeabilidade capilar, ação esta reforçada pelas leucoantocianida, muito útil nas hemorróidas e varizes. O óleo essencial juntamente com os taninos demonstraram possuir propriedades bacteriostáticas (especialmente contra os Gram negativos) e molusquicidas (Peris J. et al., 1995). Toxicidade/Contra-indicação: É contra-indicado para gastrite e úlcera gastroduodenal, pois os taninos podem irritar a mucosa gástrica, o qual pode ser aliviado associando-se drogas com mucilagens como o Altéia (Althea officinalis). Dosagem e modo de Usar: • Uso Interno: - Infusão (folhas): uma colher de sobremesa por vez. Duas vezes ao dia. - Decocção (casca): 30 a 60 g/l, ferver durante 2 minutos, duas vezes ao dia. - Extrato Fluido: 1 a 4 g/dia. (1grama = 38 gotas), em doses de 30 gotas. - Tintura (1:10): 50-100 gotas, duas a três vezes ao dia. - Extrato Seco (5:1): 0,3 a 1 g/dia. - Pó: 0,5-2 g/dia. • Uso Externo: - Extrato Fluido (1:1), Tintura (1:5) ou Extrato Glicólico (1:5), em forma de pomada, gel ou creme; em varizes aplicar massageando em sentido ascendente. - Shampoos: 2-5% de Extrato Glicólico.

Conheça historias de quem emagreceu