Facebook

Chá de Jurubeba

Chá de Cipó Suma

CHÁ DE JURUBEBA UTILIZAÇÃO - USO - Para aliviar cólicas hepáticas INGREDIENTES - 30g das folhas e frutos de jurubeba - 1 litro de água PREPARAÇÃO - Ferva a água e quando esta estiver a ponto de ebulir, desligue o fogo e acrescente as folhas e frutos de jurubeba. Deixe descansar por dez minutos. POSOLOGIA - Tomar 3 xícaras ao dia.

Chá de Jurubeba ou Solanum paniculatum

Chá de Jurubeba A jurubeba (Solanum paniculatum) é uma planta de sabor amargo que pode ser encontrada em diferentes regiões do Brasil. Na medicina popular, a erva tem vários usos medicinais, e seu uso por indígenas no tratamento de diversas doenças é anterior a chegada dos europeus ao país. Ela é conhecida por estimular o apetite e melhorar problemas de digestão, além de tratar a azia, a acidez estomacal, a gastrite, a náusea, os problemas do fígado, as úlceras e a cistite. Veja como preparar e consumir o chá de jurubeba. Jurubeba Jurubeba Você vai precisar de: 2 colheres (sopa) de folhas secas de jurubeba 1 litro de água Modo de Preparo: Junte as folhas da plana com a água fervente e mantenha tampado por 10 minutos. Depois de fazer a infusão, coe o chá e guarde em um recipiente de vidro.

Jurubeba, para que serve.

Jurubeba, para que serve Antes havíamos descrito algumas das propriedades da jurubeba (Solanum paniculatum). Agora veremos como utilizá-la, sobretudo para acabar com a dispepsia (distúrbios digestivos, má digestão). Para este casos, já demos muitas receitas aqui também como o chá para má digestão Você vai precisar de: 1 g (uma colher de chá) de partes da jurubeba 150 mL (uma xícara de chá) de água Modo de Preparo: Prepare uma infusão. Pra isso, ferva a água e desligue o fogo. Em seguida, acrescente a jurubeba, tampe o recipiente e aguarde por alguns minutos+ Posologia Utilizar 1 xícara de chá de três a quatro vezes ao dia.

JURUBEBA VERDADEIRA

JURUBEBA VERDADEIRA Solanum paniculatum Descrição : Da família das Solanaceae. Também conhecida como juribeba, juribebe, juripeba, jubeba, jupeba, jurubeba-branca, jurubeba-verdadeira, jurubebinha, jurupeba, jurumbeba, juvena, juuna, jurubeba (inglês, espanhol, francês), giurubeba (italiano). Arbusto de até 3 metros de altura, apresentando espinhos curvos no tronco e nos ramos. As folhas são alternas, pecioladas e inteiras, lisas na parte superior e com minúsculos acúleos brancos na parte inferior. As inflorescências nascem nas laterais dos ramos ou em suas extremidades, formando belos buquê de coloração branca até a azulada ou roxa, com estames porosos, de cor amarela. Os frutos são bagas arredondfadas, contendo muitas sementes. A planta toda apresenta um sabor muito amargo. Reproduz-se por sementes ou pelos brotos que nascem nas raízes laterais, que se propagam horizontalemnte sob o solo, e que vão a vários metros da planta-mãe. Prefere solos arenoso, e por ser uma plnata muito resistente, não necessita de muitos cuidados para o seu cultivo. Medra principalmente em pastagens, lavouras perenes, beiras de estrada, pomares e terrenos baldios. As folhas podem ser colhidas durante todo o ano, mas de preferências, na florada que ocorre no verão. As raízes são colotadas n aépoca em que a planta floresce. Parte utilizada: raízes, folhas, flores, frutos. Origem : América tropical, mendrando desde os limites das Guianas até São Paulo e Minas Gerais. Modo de Conservar : As folhas e as raízes de vem ser secas ao ar livre. Guardar em sacos de pano ou de papel, em local seco e arejado, isento de insetos, e ao abrigo da luz solar. Plantio : Multiplicação: sementes e estacas da raiz; Cultivo: Não é exigente em solos. Planta-se na primavera em terrenos preparados e adubados com húmus. O espaçamento preferido é o de 2 metros entre plantas. Colheita: os frutos são colhidos no outono e as raízes e folhas o ano todo. Princípios Ativos: alcalóides (solamina, solanidina, solasodina), esteróides nitrogenados, saponinas, esteroidais nitrogenados (paniculina, jurubina), agliconas (isojurubibina, isopaniculidina, isojurupidina e jurubidina), ácidos graxos, ácidos orgânicos, glicosídeos (paniculoninas A e B), mucilagens, resinas (juribina e jurubepina), princípios amargos.

Conheça historias de quem emagreceu