------------------------

OLEO DE ALECRIM.

O Óleo Essencial de Alecrim há muito é considerada planta sagrada. Cresce naturalmente nos países mediterrâneos. É usado na culinária e como erva medicinal. O óleo é refrescante, estimulante e indicado para a memória, concentração e para aliviar dores de cabeça e dores musculares. Também é excelente tônico para o couro cabeludo e problemas como queda de cabelo e caspa.
Sobre o Óleo Essencial de Alecrim
O Alecrim é uma das mais antigas e renomadas das ervas medicinais inglesas, apesar de não aparentar ser nativa desse país. Os antigos costumavam usar ramos de Alecrim para espantar maus espíritos e para queimar como incenso. Na França, era tradicionalmente usado para queimar como fumigador em quartos com pacientes.

Usavam-no para dar sabor a cerveja e vinhos, era posto em roupas para espantar traças, e até como decoração natalina. Costumeiramente encontrado em jardins de ervas, era usado como condimento. Em medicina, empregavam-no para fortalecer a memória e nervos, e para aquecer o coração. A água de Alecrim foi usada como lavagem facial embelezadora. Foi um dos principais ingredientes da água húngara, que recebeu seu nome por causa da Rainha Elizabeth da Hungria, que usava como loção de rejuvenescimento, lavando seu rosto com ela todos os dias. Tem ainda a reputação de ter sido usada como remédio para a gota e membros paralisados.

O Alecrim é um dos ingredientes da água de colônia clássica, que costuma aliviar a dor de cabeça quando esfregada nas têmporas. No século VI, Carlos Magno decretou que o Alecrim deveria ser plantado em todos os jardins do império. O nome do Alecrim em inglês, Rosemary, vem do latim, Rosmarinus, que significa orvalho do mar, pois gosta de água. É uma erva perene muito conhecida, com ramos longos e retos, coroados por folhas longas, pontudas e estreitas de 2,5 cm. Sua cor é verde-escura na parte superior e cinza-prateada na parte de baixo. Atinge 1,8 m de altura e tem flores pequenas de cor azul-pálido. O óleo de Alecrim é claro e tem um sabor morno, nítido e canforáceo que, surpreendentemente, não é muito amargo. Sua semelhança com a cânfora é notável. Mistura-se bem com outras essências frescas, como bergamota e hortelã-pimenta, e dá um óleo de banhos revigorante e refrescante.

------------------------

Óleo Essencial de Alecrim da Bio Essência.

Óleo Essencial de Alecrim da Bio Essência – estimulante

O Óleo Essencial de Alecrim da Bio Essência é uma substância oleosa 100% vegetal e extremamente volátil. Possui notas médias e seu aroma é forte, quente, penetrante e ao mesmo tempo límpido e refrescante.

O alecrim foi uma das primeiras plantas a serem usadas para fins medicinais, confira suas propriedades:

Estimula a circulação;
Tônico para pele, sistema nervoso, coração, vesícula biliar e fígado;
Diurético;
Ação antisséptica e antibacteriana;
Antifungica;
Ação depurativa (auxilia na eliminação de toxinas);
Ação digestiva e contra gases intestinais;
Anti-espasmódico (inibe a contração de tecidos lisos como estômago, intestino e útero, aliviando dores e cólicas);
Ação analgésica
Refrescante;
Alivia o esgotamento mental
É indicado para o tratamento de problemas de pele/cabelo como: acnes, dermatite (inflamação na pele), cabelos oleosos. Também auxilia em asma, bronquite, tosse, gripes, resfriados, infecções, cólicas, gases, desordens hepáticas, tensões musculares, retenção de liquido e má circulação, reumatismo, gota e arteriosclerose (endurecimento das artérias). E ainda, pode ser utilizado quando precisamos de concentração para estudar ou trabalhar, para dores de cabeça, fadiga mental, falta de concentração, auxílio da memória, e para dar mais energia, como revigorante e estimulante.

Recomendações de uso: O óleo essencial de alecrim pode ser utilizado de diversas formas: em colar aromático, em banhos, escalda pés, em massagem diluído em outros óleos vegetais, em difusores e adicionado a shampoos ou loções.

------------------------

Aromaterapia Óleos Essenciais Alecrim.

Aromaterapia Óleos Essenciais Alecrim

A Aromaterapia é uma terapia natural para a prevenção e tratamento de várias doenças e sintomas, com a utilização de óleos essenciais puros altamente concentrados. O uso frequente dos óleos essenciais para fins terapêuticos contribui para a promoção e manutenção de um estado de saúde e vitalidade.

Aplicações dos Óleos Essenciais:
1) Inalações com óleos essenciais: é particularmente eficaz no tratamento de problemas respiratórios (tais como gripes e constipações) e no alívio de tensão nervosa e de dores de cabeça.
2) Massagens Aromáticas: ao massajar o corpo com óleos de massagem, podemos combinar eficazmente as propriedades terapêuticas dos óleos essenciais com os efeitos benéficos da própria massagem.
3) Banhos Aromáticos: são particularmente eficazes em casos de lesões e dores musculares, irritações da pele, problemas circulatórios, combate a fadiga e insónias. Excelentes para aliviar as tensões do dia-a-dia.
4) Compressas Aromáticas: consistem em panos embebidos numa mistura de óleo essencial, óleo vegetal e água morna ou fria. As compressas feitas com água morna são muito eficazes para acalmarem lesões antigas, dores musculares, dores menstruais, dores de ouvidos, quistos e problemas de pele. As compressas feitas com água fria são muito eficazes em casos de entorses recentes, inflamações, contusões, inchaços, dores de cabeça, queimaduras e febres..
5) Desodorizantes e Purificadores do Ar: os óleos essenciais possuem propriedades anti-sépticas, anti-viróticas e anti-bacterianas, podendo ser eficazmente utilizados como purificadores e desodorizantes do ar.
6) Perfumes e Colónias: Para fazer um perfume, diluir 15-25% de óleos essenciais em álcool puro e deixar repousar 15 dias em local escuro. Filtrar e usar. Para as colónias, diluir 12-15% de óleos essenciais em álcool 70º

------------------------

Alecrim é um excelente fitoterápico, indicam estudos.

Alecrim é um excelente fitoterápico, indicam estudos
O uso de plantas aromáticas é tão antigo como a história da humanidade, sendo empregadas na medicina, na cosmética e em cerimônias religiosas.
Os relatos mais antigos encontram-se no sânscrito dos Ayurvedas (há mais de 2.000 a.C.), onde há descrições de técnicas rudimentares que os hindus utilizavam para a obtenção de produtos destilados, provavelmente álcoois aromáticos de diferentes espécies de capins e mirra.

O alecrim (Rosmarinus officinalis L.) é um arbusto comum da região do Mediterrâneo que, devido ao seu aroma característico foi designado pelos romanos como "rosmarinus", que em latim significa orvalho do mar. Como toda erva aromática, o alecrim chegou no Brasil na época da colonização e recebeu diversos nomes populares como: rosmarinho, rosmaninho, alecrim comum, alecrim de cheiro, alecrim de jardim e alecrim de horta.

Apesar de seu aspecto rudimentar o seu cultivo requer muito cuidado. Ele prefere solos pedregosos e sol pleno. A sua colheita é uma arte, deve ser iniciada antes ou no início do estágio de floração intensa, no período da manhã, com tempo encoberto, a partir do segundo ou terceiro ano de vida da planta.

Recomenda-se fazer a colheita antes do ápice solar, preferencialmente entre 6 e 10 horas da manhã.

Todos esses cuidados são fundamentais para preservar a qualidade do alecrim e principalmente de seus compostos bioativos como o ácido rosmarínico, ácido caféico, limoneno, pineno e a cânfora.

As folhas secas ou frescas do alecrim são utilizadas para a preparação de chás (infusos) e tinturas (extratos alcoólicos). As partes floridas são empregadas na produção de óleo essencial.

O uso popular do alecrim para o tratamento de diversas doenças despertou o interesse da comunidade científica para o estudo das substâncias bioativas.

De acordo com inúmeros estudos, o alecrim é um excelente fitoterápico, sendo indicado para controle da tosse e da gripe, combate das crises de asma e alivio de dores causadas por contusões. Esse arbusto também equilibra a pressão arterial, pode auxiliar no tratamento de dores reumáticas e gota, além de ser diurético e acelerar a digestão, ainda facilita a menstruação, combate a icterícia e tem ação sedativa.

Segundo a medicina popular do nordeste o consumo de doses de 5 a 10 ml, duas vezes ao dia, da tintura de alecrim misturada com água e açúcar em partes iguais é benéfico à saúde devido à sua ação carminativa (redução de gases). Para o tratamento via oral de hemorroidas inflamadas, o consumo das mesmas doses indicadas acima, por dez dias é eficaz. A tintura diluída em água (proporção de um para um) serve para bochechos contra o mau hálito, aftas, estomatites e gengivites.

Externamente, emprega-se a tintura ou óleo essencial de alecrim diluído em álcool a 70% na forma de compressas ou fricções no tratamento de entorses e contusões. Compressas frias com algumas gotas de óleo essencial também são empregadas para o alívio de enxaquecas na forma de compressas sob a testa. Por ter propriedades cicatrizantes, antimicrobianas e estimulantes, o óleo essencial do alecrim é incorporado na formulação de cremes e loções para o tratamento do couro cabeludo. A tintura do alecrim também é utilizada para a produção de loções que combatem a alopécia (queda de cabelo). Para sarna, usa-se uma infusão bem forte e aplica-se na pele. Como cicatrizante de feridas e tumores: usam-se folhas secas reduzidas a pó ou suco.

Aromaterapia e memória

Na aromaterapia o alecrim é utilizado para estimular a memória. A pesquisa de Angioni e colaboradores (2004) comprovaram que o óleo essencial de alecrim aumenta o desempenho cognitivo de indivíduos. O estudo concluiu que o impacto olfatório causado pelo óleo essencial de alecrim realça significativamente a qualidade da memória. De acordo com alguns especialistas ramos de alecrim devem ser dependurados em oficinas e áreas onde crianças fazem tarefas escolares para aumentar o desempenho.

Segundo algumas pesquisas a inalação com óleo essencial de alecrim é indicada para o combate da depressão e a ansiedade por ter ação relaxante. A pesquisa de Zeng e colaboradores (2001) demonstraram que o carnosol, rosmanol e epirorosmanol presentes no alecrim inibem a oxidação dos lipídeos da membrana celular e do LDL. Esses resultados indicam que o consumo dessa planta pode contribuir para a prevenção de doenças cardiovasculares.

O óleo essencial de alecrim também tem uma ação antiviral potente. Segundo estudos o óleo essencial de alecrim pode contribuir para o controle do vírus do herpes simples que é responsável por uma grande variedade de doenças que pode levar à morte.

O alecrim também pode ser consumido de várias formas não somente como infusões ou óleos. Segue abaixo algumas dicas para inclui-lo diariamente em sua alimentação.

O alecrim fresco, misturado às massas caseiras de pão, dá um gosto saboroso e exótico à massa, além de deixar o pão digestivo e energético. Ele também pode ser adicionado às manteigas e patês.

Você também pode fazer em casa uma conserva de alecrim para saladas: Em vidro esterilizado, coloque um galho de alecrim fresco, manjericão, alguns grãos de coentro e um grão de pimenta da Jamaica. Coloque ¼ de vinagre de maçã, água filtrada e sal. Deixe macerar durante 8 dias. A conserva deve ser usada como tempero junto com azeite.

O vinho de alecrim também é uma opção simples: coloque alguns galhinhos de alecrim fresco em um bom vinho tinto e deixe macerar durante 21 dias bem fechado com parafina na rolha. Guarde em lugar escuro, de preferência deitado. Quando passar esse tempo, coe e acrescente mel puro a gosto.Tome antes do jantar. É usado para a digestão, memória e tônico geral.

Apesar dos diversos benefícios do alecrim, seu consumo não deve ser exagerado, pois o uso excessivo pode causar gastroenterites e nefrites. O consumo de alecrim não é indicado para gestantes e indivíduos que apresentam quadro de eplepsia.

------------------------

Suplementos

  • RIPP ABS

    Suplementos


    Noticia painel seguro