------------------------

Passos para o Crudivorismo.

Por que comemos mais que o necessário? Por que fazemos péssimas escolhas alimentares mesmo quando desejamos ser saudáveis? Essas questões são abordadas de forma simples e direta nestes 12 passos para o crudivorismo. Maior divulgadora do green smoothie, a vitamina verde que está mudando a vida de muita gente, Victoria Boutenko expõe nesta obra inspiradora os benefícios da dieta vegetariana crua e desvenda as razões que nos levam a comer compulsivamente mal. O livro oferece técnicas para criar e manter hábitos alimentares mais saudáveis, ajudando o leitor a fazer com a maior tranquilidade possível a transição dos alimentos cozidos para a dieta crua.

Uma mudança desse porte, porém, tem grande impacto em todos os aspectos da existência, e Victoria Boutenko ressalta a importância de, nesse processo, dar e receber apoio e viver em harmonia com aqueles que não compartilham nossos pontos de vista. 12 passos para o crudivorismo destina-se, assim, a todos os interessados em conquistar uma vida melhor através da alimentação.

Sobre a Autora:

Victoria Boutenko
Mora em Ashland, Oregon, nos Estados Unidos. Professora da Universidade do Sul do Oregon, é autora de vários livros sobre alimentação crua e faz palestras sobre o assunto em todo o mundo. Um dos resultados visíveis de seu trabalho é a formação de comunidades crudívoras em diversos países. Sua história de fé, determinação e superação continua a inspirar milhares de pessoas. Desde 2003 ela publica um boletim mensal em seu website e contribui regularmente com periódicos norte-americanos, russos e alemães, entre outros. Victoria Boutenko é referência na área da alimentação natural, e sua obra é citada por um número cada vez maior de autores. 12 passos para o crudivorismo é o primeiro livro dela publicado no Brasil.

------------------------

CRUDIVORISMO SAÚDE E VITALIDADE SEM ALIMENTOS.

CRUDIVORISMO - SAÚDE E VITALIDADE SEM ALIMENTOS COZIDOS
Venda sob Encomenda: produto indisponível em nosso estoque no momento,iremos encomendá-lo na editora responsável pela publicação ou em nossos distribuidora para poder atendê-lo.

Prazo para Postagem: em até 07 DIAS ÚTEIS, após a confirmação de pagamento.O prazo de entrega está vinculada a opção de frete que escolher no ato da compra.

*IMPORTANTE: Caso o livro esteja esgotado na Editora, ou em nossos Fornecedores , entraremos em contato informando sobre o procedimento de disponibilidade de estorno do pagamento.
Sinopse
Por que as pessoas comem mais que o necessário? Por que fazem péssimas escolhas alimentares? Essas questões são abordadas em 12 passos para o crudivorismo. Victoria Boutenko expõe nesta obra os benefícios da dieta vegetariana crua e apresenta razões que levam as pessoas a comerem mal. O livro oferece técnicas para criar e manter hábitos alimentares saudáveis, com o objetivo de ajudar o leitor a fazer a transição dos alimentos cozidos para a dieta crua.

------------------------

conselhos médicos.

Observação: As informações contidas neste livro não devem ser interpretadas como conselhos médicos. Victoria Bou-tenko não recomenda a dieta crudívora ou nenhum padrão de prática médica.Os autores, editores e distribuidores não assumem qualquer responsabilidade por consequências adversas resultantesda adoção do estilo de vida aqui descrito.Ainda que os 12 passos aqui identificados tenham sido inspirados nos 12 passos apresentados pelo A. A. (AlcoólatrasAnônimos), não significa que sejam uma adaptação deste programa. Eles foram criados específicamente para estapublicação e não devem ser interpretados de outra forma.

O A.A. é uma entidade voltada apenas para a recuperaçãodo alcoolismo e não tem nenhuma ligação com a presente publicação. Dedico este livro a Donald O. Haughey, a quem devo o incentivo para a realização deste trabalho.AgradecimentosAgradeço aos queridos amigos de todo o mundo que foram a inspiração do meu presente pensamento.Agradeço aos Editores, Leitores e Artistas, pela gentileza e paciência.Meus especiais agradecimentos a Donald O. Haughey , Elizabeth e David Bechtold por financiarem meu livro.

------------------------

7 passos para o crudivorismo.

7 passos para o crudivorismo
2. Victoria Boutenko Tradução Fatima Leal Raw Family Publishing Direitos autorais a partir de 2001 por Victoria Boutenko Todos os direitos são reservados. Nenhuma parte deste livro poderá ser reproduzida por qualquer meio, quer seja mecânico, incluindo fotocópia, gravação ou outros, sem a expressa permissão da editora, exceto para a inclusão de breve citação em edição revisada. Raw Family Publish 2253 Highway 99 North, # 58 Ashland, OR 97520, U.S.A. www.RawFamily.com Fotografia da capa feita por Dragomir Vukovic Editado por Jane C.Picknell Lay out da capa e do interior do livro feito por Lightbourne Código do Catálogo da Livraria do Congresso número 2001118915 ISBN 0-9704819-3-4 Observação: As informações contidas neste livro não devem ser interpretadas como conselhos médicos. Victoria Bou- tenko não recomenda a dieta crudívora ou nenhum padrão de prática médica. Os autores, editores e distribuidores não assumem qualquer responsabilidade por consequências adversas resultan- tes da adoção do estilo de vida aqui descrito. Ainda que os 12 passos aqui identificados tenham sido inspirados nos 12 passos apresentados pelo A. A. (Alcoólatras Anônimos), não significa que sejam uma adaptação deste programa. Eles foram criados específicamente para esta publicação e não devem ser interpretados de outra forma. O A.A. é uma entidade voltada apenas para a recupera- ção do alcoolismo e não tem nenhuma ligação com a presente publicação. Dedico este livro a Donald O. Haughey, a quem devo o incentivo para a realização deste trabalho. Agradecimentos Agradeço aos queridos amigos de todo o mundo que foram a inspiração do meu presente pensamento. Agradeço aos Editores, Leitores e Artistas, pela gentileza e paciência. Meus especiais agradecimentos a Donald O. Haughey , Elizabeth e David Bechtold por financiarem meu livro.
3. INDICEPrefácio por Gabriel Cousens 4Observações da autora 6 PARTE I - POR QUE COMER ALIMENTOS CRUS?Capítulo 1 - Vida e Energia 7Capítulo 2 - O Corpo Humano nunca comete erros 9Capítulo 3 - A lei Vital da Adaptação 12Capítulo 4 - Bactéria, meu animal favorito 18Capítulo 5 - A desintoxicação como uma forma de cura 20Capítulo 6 - Jejum em Família 24 PARTE II - COMO PERMANECER NA DIETA CRUDÍVORA.Capítulo 7 - O porque dos 12 Passos 26Capítulo 8 - Primeiro Passo 30Capítulo 9 - Segundo Passo 33Capítulo 10 - Terceiro Passo 34Capítulo 11 - Quarto Passo 37Capítulo 12 - Quinto Passo 42Capítulo 13 - Sexto Passo 47 Capítulo 14 - Sétimo Passo 48 Capítulo 15 - Oitavo Passo 50 Capítulo 16 - Nono Passo 51 Capítulo 17 - Décimo Passo 54 Capítulo 18 - Décimo Primeiro Passo 56 Capítulo 19 - Décimo Segundo Passo 58 Capítulo 20 - Receitas Gourmet 60 Creative Health Institute 61O valor do apoio 61 
4. PREFÁCIO Por Gabriel Cousens Os doze Passos Para o Crudivorismo é um trabalho de caráter fundamental para a consolida- ção do "Movimento Alimentos Vivos". O fato inovador é o entendimento articulado por Victora Boutenko, de que muitas pessoas são viciadas em consumir alimentos cozidos. Por esse motivo, a transição para uma dieta restrita a alimentos crus torna-se muito difícil. Este livro é a resposta para este problema. Victoria, com sua imaginação e compaixão, apresenta os 12 passos fundamentais como um pro- grama de apoio, para que as pessoas enfrentem com sucesso a fase de transição. Muito do seu entendimento sobre o hábito de se comer alimentos cozidos, foi baseado nos tradicionais pro- gramas dos 12 passos que ela tomou como base para a formulação de um sistema de ajuda a todos, numa investida bem sucedida na dieta crudívora. Como médico da Medicina Holística, psiquiatra e psicoterapeuta familiar, desde 1983 consumin- do 100% de alimentos crus, e como alguém que tem ajudado milhares de pessoas na transição para a dieta crudívora, posso afirmar que o presente livro é de extraordinária importância. No meu caso, a minha experiência nessa fase de transição foi motivada por um intenso foco espi- ritual, e não precisei da ajuda de outras pessoas nem de muito conhecimento. Pessoalmente, me sinto um privilegiado em nunca ter experimentado as dificuldades do vício alimentar. Por esse motivo nunca me ocorreu essa idéia para que eu pudesse ajudar meus clientes a superarem as dificuldades. No "Tree of Life Rejuvenation Center", um centro de rejuvenescimento na Patagônia, Arizona, onde sou diretor, nós já utilizávamos algumas técnicas que Victoria apresenta, de como ajudar as pessoas a terem sucesso com a mudança, mas não com a clareza que ela demonstra neste seu livro. Nós ensinamos o Segundo Passo, que diz que uma dieta vegetariana crudívora é a dieta da nova era, a era da paz. Ensinamos o Terceiro Passo que são os conhecimentos básicos, receitas e equi- pamentos a serem utilizados na preparação dos alimentos; compartilhamos o Quarto Passo que é a compaixão e tolerância por aqueles que comem alimentos cozidos; no Quinto Passo ensinamos como evitar as tentações; no Sexto Passo incentivamos a criação de grupos de suporte; no Séti- mo Passo orientamos como encontrar atividades alternativas que substituam o hábito de comer ; no Oitavo Passo mostramos como reconhecer uma personalidade padronizada e superá-la; no Nono Passo trabalhamos a psicologia do vício alimentar, oferecendo técnicas e processos de cura através de um curso especial, "zero point," onde um dos pontos é modificar os hábitos alimenta- res; no Décimo Passo incentivamos as pessoas a confiarem na própria intuição para atender as necessidades do corpo; no Décimo Primeiro Passo, encorajamos e inspiramos as pessoas a cele- brarem o despertar espiritual, oferecendo nosso espaço como um santuário; e no Décimo Segun- do Passo, incentivamos o crescimento do "Movimento Alimentos Vivos", ajudando na indicação de livros sobre o assunto e oferecendo até um curso a nível universitário. Porém, faltou o ponto chave: O Primeiro Passo, que é a ajuda àqueles com dificuldades de cons- cientização do incontrolável hábito de consumir alimentos cozidos. Daí a necessidade de uma apresentação formal da visão dos Doze Passos. O Primeiro Passo dá o poder necessário para a realização dos outros. Esse é o ponto de suma importância que Victoria apresenta através do Primeiro Passo no seu livro.
5. Ela toca exatamente no problema que eu , pessoalmente, não entendia bem até conversarmossobre o assunto, e quando tive a oportunidade de ler seu livro. Parabéns à Victoria por essa im-portante revelação.Fico feliz em saber que um livro como este se encontra no mercado disponível, e que podereirecomendá-lo aos meus clientes. Ele fala sobre um problema que talvez nem todas, mas muitaspessoas enfrentem. Com certeza será de excelente proveito para o entendimento e conscientiza-ção de todos quantos tiverem acesso a ele.Victoria conta as dificuldades que ela e sua família enfrentaram na fase de transição, fazendo doseu livro um trabalho de caráter bastante pessoal. Seus relatos transmitem algo de humano ereal com que as as pessoas se identificam. A fase de transição vivida por sua familia, suas lutas, eo crescimento experimentado nesse processo, são uma verdadeira inspiração. É uma leitura quepara muitos é o retrato real dos seus próprios conflitos e se não for a solução, pelo menos seráum passo a seguir para se alcançar o sucesso na fase de transição.Além da importante contribuição do livro, que é o entendimento claro de que para muitas pesso-as o alimento cozido é um vício, Victoria dá uma visão sólida da importância dos alimentos cruspara nossa saúde e bem estar. Ela apresenta também algumas idéias na preparação de receitas,o que é fundamental e na minha opinião absolutamente viável, fazendo as pessoas entenderemque a intenção não é a preparação de receitas mas sim a demonstração de como brincar com osalimentos.Dessa maneira, elas podem dar evasão às suas próprias criações, de forma a suprir suas própriasnecessidades. Quando li este livro, vi o quanto é interessante compreender o porque das tentati-vas e desistências que é muito comum no começo da dieta crudívora. Victoria diz que é importan-te que as receitas sejam saborosas, no momento em que as pessoas necessitam psicologicamentedo conforto dos gourmets como um estímulo. Ao mesmo tempo ressalva, que a medida que elasse vêem envolvidas no novo estilo de vida, haverá menor necessidade a nível de gourmets. Elaaborda o problema dos apegos culturais, pressões sociais, o quanto fomos programados desde onascimento, o problema dos maus hábitos, particularmente o do consumo de alimentos processa-dos e artificiais e ensina como lidar com estas dificuldades.Um outro aspecto bastante positivo do livro é o apoio às pessoas para que elas se tornem"experts" em detectar o que seu corpo está precisando. Há muitas controvérsias em todos oscampos que envolvem a nutrição, seja com relação a dieta crudívora ou não. Na sua forma cla-ra de abordagem, Victoria ressalva que, uma vez que entramos no proccesso de desintoxicação,devemos confiar na sabedoria do corpo. A ânsia por determinado alimento é sempre um sinal deque ele precisa daquilo para sua saúde naquele momento. Um outro aspecto do seu trabalho é oexcelente capítulo sobre desintoxicação como uma forma de cura. Com muita habilidade, Victo-ria fala sobre alguns dos sintomas vivenciados no processo, e transforma a desintoxicação numacelebração – a celebração da vida e do amor por nós mesmos.Este livro é destinado a ser um clássico. Sinto-me bastante gratificado pela oportunidade deescrever sua introdução, e o recomendo a todos os profissionais da área de nutrição e a todosaqueles que precisam de apoio para adotar e permanecer na dieta crudívora.Devo dizer também, que é um dos mais importantes trabalhos já publicados de apoio ao movi-mento "Alimentos Vivos", que tenho visto durante os meus anos de experiência na área. 
6. Agradeço a Victoria Boutenko pela sua valiosa contribuição. Bênçãos à sua saúde, bem estar e alegria espiritual. Gabriel Cousens, M.D., M.D. (H) Diretor do Tree of Life Rejuvenation Center, autor de Conscious Eating, Spiritual Nutrition e The Rainbow diet. OBSERVAÇÕES DA AUTORA Caro Leitor: Acredito que vocês não se lembram das minhas palavras e sim dos seus próprios pensamentos que surgem na medida que me ouvem ou lêem meus livros. Estas sim, são as suas próprias des- cobertas, e a sua transformação ocorre da forma com que você a conduz. Por isso é que quando dou aulas, sempre promovo diálogos. Costumo formular algumas questões chaves, e peço a meus alunos para me responderem da forma mais honesta possível. Gostaria que você, preza- do leitor, respondesse também como se estivesse no grupo. É importante que haja honestidade. Dessa forma, teremos um diálogo sincero, que é a melhor forma de conduzir a verdade. Quando digo nas minhas aulas que o alimento cozido é um vício como outro qualquer, as pes- soas riem. Quando digo que deveríamos ter os "Viciados em Alimentos Cozidos Anônimos" elas riem ainda mais. Porém, na verdade, a coisa é mais séria do que imaginamos. A maioria das pessoas adotam a dieta crudívora por sérios motivos, como eu, meu marido e meus filhos. Para mim, foi como escolher entre a vida e a morte. Eu estava morrendo; me tornei crudívora e estou viva, saudável e feliz. Agradeço à minha família pelo apoio, pois quando vejo outras pessoas lutando com dificuldades, sinto o quanto é difícil enfrentar uma mudança sem ter apoio. Quando investimos nesse caminho, estamos agindo contra tudo o que é considerado normal com relação a alimentação. Por compaixão por aqueles que experenciam dificuldades em permanecer na dieta, e com o apoio da minha família, criei o programa dos 12 Passos. Experimentei nas minhas aulas duran- te um ano, antes de expor a idéia num livro. Tenho ensinado os 12 Passos para o Crudivorismo, tratando o hábito de consumir alimentos cozidos como um "vício", e os estudantes que têm par- ticipado conseguem permanecer na dieta a 100% e com muito sucesso. Para por em prática o programa, são organizados grupos de apoio para encontros semanais. Há grupos de estudo dos 12 passos em Seattle, Eugene, Silver Spring, San Mateo e muitas outras cidades. Esses grupos estão crescendo a cada dia. Se você quiser contactá-los por favor veja as informações no final do livro. Pensei em experimentar o programa por mais tempo, antes da publicação do livro, mas recebe- mos tantos pedidos de todas as partes do mundo que decidimos publicá-lo agora. Continuaremos a trabalhar no programa dos 12 passos, e planejamos publicar uma edição mais completa no futuro. Na Primeira Parte do livro, discutiremos porque consumir apenas alimentos crus - a mais saudável e nutritiva forma de se alimentar - e na Segunda Parte como manter o novo estilo de vida, usan- do o programa dos 12 Passos para o Crudivorismo.
7. PARTE I Por que comer alimentos crus?CAPÍTULO 1 - Vida e EnergiaQuando as pessoas falam sobre Crudivorismo , normalmente falam em enzima. Enzima é ener-gia. Enzima é vida. Não podemos ver as enzimas a olho nu, mas podemos ver vida e energia queé o resultado das enzimas. Por exemplo, se pegamos duas nozes , uma crua e a outra cozida eplantamos as duas, em três semanas a cozida estará totalmente desintegrada no solo, enquantoque a crua permanecerá intacta no mesmo lugar. A semente crua plantada, terá o potencial dese transformar numa grande e bonita árvore que dará a luz a milhares de outras nozes. Comonos mostra o exemplo, a diferença entre as duas nozes, a cozida e a crua, é a mesma entre mor-te e vida. Uma contém enzimas e a outra não. Uma carrega consigo a potência vital , a outraperdeu a vida pelo cozimento. Se as duas nozes forem entregues a um cientista para serem ana-lisadas, ele não encontrará nenhuma diferença nutricional. As duas têm a mesma quantidade decálcio, potássio, sódio, magnésio, zinco e cobre, que seriam nutricionalmente equivalentes. Entre-tanto, como dissemos, uma carrega vida porque contém enzimas e a outra não porque perdeu asenzimas.Para entendermos melhor como as enzimas funcionam, vamos fantasiar uma estória. Num bo-nito dia de verão, você está passando por um pomar à procura de maçãs mas elas ainda estãoverdes, escondidas entre as folhas. Você não pode vê-las facilmente nem mesmo sentir o cheiro.Aí você volta ao pomar no outono e as maçãs já estão grandes vermelhas e com aquele cheirogostoso. Elas parecem chamar por você, "ei, olhe para mim, me cheire, me coma". Você entendeque uma maçã ser comida por um animal ou por um ser humano significa a continuação da vida.Aí você escolhe a maior e mais vermelha e dá uma mordida. A maçã está cheia de enzimas vi-vas. Enquanto você a saboreia, as enzimas(como minúsculos trabalhadores com a mala cheia demágicas ferramentas de cura) trabalham no seu corpo. Você sai andando e as enzimas vão agin-do no seu corpo como um time, trabalhando aqui e ali; se detendo mais naquele ponto onde énecessário mais atenção . Você se sente bem e cheio de energia porque a maçã que você comeucontém suas próprias enzimas que vão ajudar na digestão. Seu corpo não precisa fazer nenhumesforço extra para digerir a maçã. Mais tarde, ela sai do seu corpo em forma de fertilizante e avida prossegue. Assim é que você participa do ciclo da vida. Tudo é circular. É a lei universal.No fim de semana seguinte, você volta ao pomar, colhe uma cesta de maçãs, leva para casa eexatamente como fazia sua avó, coloca as maçãs para assar no forno com caramelo e canela.Assadas, elas formam um prato bonito e delicioso. Parecem tão nutritivas quanto a maça frescaque você tirou do pé. Mas não é. As maçãs que você cozinhou tiveram suas enzimas destruídaspela alta temperatura. Você come a doce maçã assada, que o caramelo e a canela estimularamo sabor, criando em você uma sensação de grande prazer. Você acaba de comer e vai deitar umpouco para descansar, sentido um certo cansaço pois seu corpo tem que trabalhar dobrado parafazer a digestao. As enzimas que são produzidas pelo seu próprio corpo têm que deixar o seu tra-balho, talvez limpando o seu fígado, protegendo você contra a formação de tumores, evacuandotoxinas aqui e ali e vão digerir aquela maçã assada que não mais possui suas próprias enzimas. 
8. Quando finalmente essa maçã sem vida deixa o seu corpo, no vaso sanitário, ela está cheia das enzimas que absorveu do seu próprio organismo. Essas enzimas estão indo embora para sempre. O dr. Edward Howell, um respeitado nutricionista, diz que na média, um americano na faixa dos 40 anos tem restando no seu corpo apenas 30% das enzimas. Ainda assim podemos caminhar, falar e pensar. Porém, com somente 30% das enzimas e tendo que gastar 75% de energia para desintoxicar o corpo, nos tornamos vulneráveis à doenças e até menos sensíveis com relação aos outros e a nós mesmos. Podemos sobreviver fisicamente mas nunca saudavelmente e espiritual- mente. A boa notícia é que, mesmo com apenas 30% de nosssas enzimas, podemos prolongar nossa vida, se adotarmos o crudivorismo, deixando o corpo se auto-purificar. Há muita controvérsia no campo das enzimas. Na verdade, muitos nutricionistas formados ainda não entendem a importância das enzimas no nosso alimento. Se você quer ter uma dieta ade- quada, um esclarecimento completo sobre as enzimas é crucial. Por exemplo, vamos ver qual a diferença entre gordura crua e gordura cozida. Para que a gordura existe? Todos precisamos de gordura para lubrificar nos- sos olhos para que possamos enxergar, para lubrificar nossa pele para que ela fique macia, para lubrificar nosso cabelo e as nossas juntas. Não pode- mos assimilar gordura de leite pasteurizado, manteiga, creme ou nozes tor- radas, porque todos são cozidos! Podemos ficar obesos, e ainda assim caren- tes da real gordura. Nosso corpo está faminto por gordura viva. As melhores fontes da boa gordura são: abacate, coco verde, azeitona, nozes, sementes, e azeite de oliva prensado a frio. Lembro quando eu era bem gorda. Eu pesava 60 kg a mais que hoje. Nessa época, eu sentia um desejo muito forte por abacate. Quando comecei a dieta, cheguei a comer oito abacates por dia. Comecei a perder peso rapidamente. As enzimas da gordura do abacate penetraram nos meus depósitos de gor- dura , quebrandos-os em pequenos pedaços, eliminando-os do meu corpo. Isso não é impressionante? Um outro exemplo é o cálcio. Quando temos deficiência de cálcio, somos aconselhados a tomar leite pasteurizado. Sempre vemos anúncios que dizem: "Já tomou seu leite hoje?" Eu diria que quando precisamos de cálcio a pergunta correta é: "Tomou seu leite de gergelim?" ou "Tomou seu suco de clorofila?" O leite de vaca não é para ser consumido por seres humanos. Ele poss- sui cálcio, mas contém uma concentração muito grande de proteína, o que produz muito muco. Além do mais, o leite pasteurizado é aquecido a uma temperatura tal que todas as enzimas são destruídas. Não há mais vida no leite pasteurizado. O corpo absorve apenas moléculas de cál- cio sem vida. Do capim, é onde a vaca retira o seu cálcio. O cálcio de origem vegetal é de fácil digestão pelo corpo humano porque a molécula de clorofila e a molécula do sangue são quase idênticas. A semente de gergelim é a mais rica em cálcio entre todas as sementes e nozes. O leite de gergelim é delicioso e pode facilmente ser substituído pelo leite de vaca.
9. Como havia dito antes, enzimas são vida e energia. Somos seres humanos e portanto, seres es-pirituais. Precisamos de energia para nos movimentar, amar, compartilhar, comunicar e interagir.Todas as vezes que comemos alimentos cozidos perdemos as enzimas que o nosso corpo produz.Todo o alimento cozido que consumimos faz o corpo trabalhar duro usando suas próprias enzi-mas para digerir aquele alimento. Dessa forma, o corpo trata esses alimentos como se fossemtoxinas e faz tudo para eliminá-los.Existe alguma forma de recuperar as enzimas perdidas? Há diferentes opiniões a esse respeito.O Dr. Howell diz que todas as criaturas vivas têm um potencial fixo de enzimas e que não podeser reconstituído. As pessoas sempre perguntam se não podem recuperar suas enzimas tomandosuplementos. Eu acredito que não. Os suplementos de enzimas à venda não são nada mais nadamenos que alimentos crus desidratados. Por exemplo, os suplementos vendidos para ajudar nadigestão da carne cozida são feitos do fígado cru desidratado. No meu entender, um bife cozidotem propriedades diferentes do fígado cru desidratado.Será que podemos comer uma boa quantidade de maçãs e estocar suas enzimas? Também nãoacredito. Elas fazem o seu trabalho enquanto estão lá, mas não permanecem. É a minha opinião,com base nas minhas leituras e experiência. Ninguém até agora sabe a verdade sobre a recons-tituição de enzimas. O que posso dizer é que recuperei minha saúde não por tomar suplemen-tos de enzimas mas por preservar as minhas próprias, não comendo alimentos cozidos. Minhasenzimas não estão mais sobrecarregadas com o trabalho de digerir alimentos cozidos e me sintocheia de saúde e energia.Acredito também, que se seguirmos o nosso coração e fizermos o que fomos predestinados afazer nesta vida, nos tornaremos seres saudáveis e espirituais e ainda receberemos a cota decontribuição do Universo.CAPÍTULO 2 - O Corpo Humano Nunca Comete ErrosPrecisamos confiar no nosso corpo. Para isso é preciso seguir a nossa intuição, nosso eu superiore nossa própria experiência. Cada um de nós é um ser único com suas próprias e diferentes ne-cessidades. Precisamos ser os melhores "experts" em nós mesmos.Se você muda sua dieta apenas porque ouviu os conselhos de Victoria, não vai durar muito tem-po ou dure, até você ouvir um outro "expert" que lhe apresenta idéias diferentes sobre saúde. Omeu conselho é que você faça somente aquilo que sente que é o certo para você.Há bons instrutores espalhados pelo mundo hoje em dia. Vamos imaginar seguindo a sugestãode cada um . Um nutricionista nos aconselha a evitar frutas porque elas têm açúcar que podecausar diabetes. Um outro nutricionista popular diz que devemos comer apenas frutas e nãoverduras. Outro argumenta que frutas cítricas causam artrite e que prejudica nossos ossos. O Dr.Hilton Hotema, que já tem quase 100 anos de idade, nos diz para não comer repolho, couve enem folhas verdes, porque sendo parte da famíilia dos ópios, elas também são tóxicas. Um outronutricionista, no seu livro sobre brotos, escreveu que os grãos brotados são tão tóxicos e que nemmesmo os animais deveriam comê-los. Uma outra pessoa brilhante e muito minha amiga, nosaconselha a não comer nenhum tipo de grão porque eles causam danos ao cérebro. Os Higienis-tas dizem que não devemos comer nozes nem frutas secas porque são alimentos muito concen-trados. Ouvi um outro professor muito popular na área do Crudivorismo dizer que não devemos 
10. comer cenoura, nabo, nem raízes, porque são híbridos e o corpo não os reconhece como alimen- tos. Se seguirmos os conselhos de todos os bons professores, o que nos restará para comer? Em vez de crudívora eu me tornaria "breatherian" (alguém que vive só do ar que respira). Já pensou como é confuso? A única solução é ouvir o seu próprio corpo. Vamos fazer uma experiência. Se você fossse a uma barraca de frutas orgânicas agora, que fruta escolheria? Pera, maçã, laranja, figo, mamão, banana, uva, abacate, manga ou cereja? Será que todos que estão lendo este livro vão pegar a mesma fruta? Provavelmente que não. Somos todos indivíduos únicos. Seu corpo sabe do que você precisa. A fruta que você escolhe é aquela que ele está pedindo naquele dia. Seu dever é dar a seu corpo aquilo que ele precisa. Amanhã ele pode querer a mesma fruta ou uma coisa nova. Deixe que ele comande. Tenho seguido o meu corpo por oito anos. Durante esse tempo fui a diversas conferências onde os palestrantes argumentavam contra um ou outro tipo de alimento. Lembro de um professor que falou contra comer grãos. Nesse dia eu estava com desejo de comer quinoa (um tipo de grão) , então falei para o palestrante, "Eu respeito sua opinião e sua pesquisa mas meu corpo é o meu chefe". Se ele diz que quer quinoa, eu ponho para brotar e como. Ele sabe melhor do que eu. Ouça seu corpo para ter saúde e felicidade. Acredite na sua própria intuição e não cometa o engano de pensar que outra pessoa sabe me- lhor sobre seu corpo do que você. Seu corpo é belo e sábio. Cada uma das 35 trilhões de células que ele possui tem alma própria e sabedoria suficiente para saber o que fazer. Vamos imaginar que uma partícula de poeira caia no seu olho direito. Que olho irá piscar? O direito, é claro. Seu olho esquerdo não vai piscar por engano porque o corpo nunca se engana. Sua mãe deu a luz a um bebê perfeito. Nossos corpos são perfeitos. Quando não deixamos nosso corpo nos guiar, aí criamos um grande problema. Por exemplo, qual é a reação típica de alguém que está com febre, na nossa cultura? A resposta é: Aspirina. Acredito que se meu corpo criou a febre é porque preciso dessa febre. Quando ele cria diarréia, está dizendo que eu preciso da diarréia. Tomar remédio contra a diarréia é ir con- tra a sabedoria do corpo. Nosso corpo nunca comete erros. Todos nós sabemos o que precisa ser feito quando ouvimos o nosso corpo. Quando minha família tinha dois meses na dieta crudívora, meus filhos começaram a desejar diferentes tipos de frutas. Sergei queria manga e uva-do-monte e Valya queria azeitona e figo. O desejo deles por essas frutas era tão grande que eu tinha que correr atrás para satisfazê-los. Certa vez, dei uma manga a Sergei. Ele comeu e pediu mais. Comprei uma cesta, pensando que ia durar uma semana, e ele comeu em um dia com casca e tudo, e ainda pediu mais. A mesma coisa aconteceu com uva-do- monte. Comprei um saco de um quilo de uva-do-monte e ele co- meu todo de uma vez . Valya gostava de figo. Ela queria figos frescos, figos secos, nunca se farta- va de comer figos. Também gostava muito de comer azeitonas. Durante nossas férias, na primavera, visitamos o Dr. Bernard Jasnsen, um famoso clínico e nutri- cionista. Perguntamos a ele o que Sergei precisava comer para a diabetes. Ele olhou no seu livro e disse que a melhor coisa para diabates é manga e uva- do-monte. Então perguntamos o que Valya precisava comer para a asma. Ele disse, figo e azeitona. Fiquei abismada e falei para ele que era exatamente o que as crianças estavam sempre desejando.10
11. Compreendi então que o nosso corpo está sempre pedindo certo tipo de alimento, aquilo queele precisa. O corpo das crianças fala antes que o nosso corpo de adultos.Algumas semanas depois das crianças, Igor e eu começamos a sentir desejos. Lembro que um diasenti um desejo enorme de comer alho-porro. Sentia o cheiro em todo lugar.Quando tive a oportundidade de conversar com Dr. Jansen novamente, perguntei a ele sobreesse meu ataque por alho-porro. Tinha lido que não devemos comer nenhum tipo de cebola oualho porque irrita nossa membrana mucosa. Dr. Jansen me disse que sempre que as pessoastêm muito muco, o corpo deseja algo como alho e cebola para dissolver o muco e fazer expelir.Você já teve ânsia por doce? Quando nosso corpo precisa de cálcio, sentimosdesejo de comer doce.O cálcio na sua forma natural é adocicado. Se planta-mos morangos num solo rico em cálcio, os morangos serão bem doces. Al-gumas vezes a nossa reserva de cálcio é tão baixa que ficamos viciados emdoce. Eu mesma tive muita dificuldade de me libertar do açúcar. Converseicom uma amiga sobre isso e ela falou: "Victoria você está apenas precisandode cálcio".Ela me disse para por sementes de gergelim de molho, preparar o leite e tomar em jejum duran-te duas semanas. Segui seu conselho. Primeiro tomei o leite de gergelim com mel. Poucos diasdepois não queria mais o leite tão doce , então pus menos mel. Depois de uma semana,, já nãoqueria mais o leite com mel. Aí mudei para um tipo de gergelim mais escuro que tem um gostomais amargo. Por duas semanas não ia a lugar nenhum sem o meu copo de leite de gergelim. Oequílibrio no meu corpo tinha mudado. Perdi o forte desejo por doce, até mesmo por frutas docesque são saudáveis. Fantástico! Estava na época de uva e não senti aquele desejo de comer uvacomo antes. Graças ao leite de gergerlim, que é mesmo o campeão em cálcio.Certa vez, Sergei quebrou a clavícula e teve vontade de tomar suco de clorofila e leite de gerge-lim. Depois que ficou bom, não precisou de fisioterapia. Os médicos disseram que ele levaria deoito a dez semanas para se recuperar, mas isso aconteceu bem antes. Por ter tomado leite de ger-gelim, em apenas duas semanas o corpo de Sergei produziu a calcificação necessária para que osossos se unissem e voltassem ao normal.Algumas vezes você também vai desejar algo que nunca experimentou antes . Você tem váriasopções, mas nada parece lhe atrair porque você precisa de alguma coisa que não está ali. Paraajudar na identificação do que o seu corpo está querendo, você pode começar a comprar frutase verduras que nunca experimentou antes. O que é bom para um, pode não ser bom para outros.Certa vez fui fazer um almoço para 25 pessoas. Fui na horta e avistei uns pés de dente-de leão.Achei aquelas folhas tão atrativas e decidi experimentar uma. Elas pareciam doce para mim. Nãotinham nada de amargo. Enchi uma cesta e falei para os convidados que teríamos um almoçoespecial. Pus no processador 6 abacates e suco de limão para fazer o molho da salada. Coloqueiminha obra de arte na mesa, os convidados provaram e exclamaram, "Como isso está amargo!"Terminei comendo a salada sozinha. Na manhã seguinte, acordei com a pele amarelada. O queaconteceu foi que aquela salada limpou meu fígado. Antes da limpeza que o dente-de leão fez,minha pele era branca e pálida. Depois ficou completamente rosada. Meu corpo sabia que euprecisava daquilo. 11
12. O corpo humano é tão maravilhoso e nem nos damos conta do quanto. Aprendi na escola, que o sangue flui no nosso corpo para baixo, pelo efeito da gravidade, e para cima, impulsionado pelas batidas do coração. Não! O trajeto do sangue não é tão simples assim. O sangue é um milagroso rio de vida que viaja através de trilhões de vasos , numa ve- locidade cósmica. Ele não flui apenas pelo efeito da gravidade. Ele percorre diferentes direções, tudo de acordo com as leis universais que não podemos sequer entender. Quando eu corto meu dedo, o próprio sangue lava a sujeira do corte; depois ele coagula e fecha o ferimento formando um cascão. Quando esse cascão cai, eu tenho uma nova pele no lugar do corte. Isto não é fan- tástico? O corpo humano é mesmo fascinante. Tomemos como outro exemplo, a nossa mão. A mão tem mais de 100 pequenos ossos. Minha mão pode segurar uma maçã, descascar uma banana, retirar raízes do solo ou me ajudar a subir numa árvore. Quando coloco a minha mão na água, a água não penetra na pele, porém, se meu corpo precisa transpirar, eu posso transpirar através das minhas mãos que há um minuto atrás parecia à prova d'água. Nosso corpo é tão milagroso que deveríamos estar sempre fascinados e agradecidos por cada fio de cabelo da nossa cabeça ( enquanto temos!) O corpo de cada pessoa quer ser bonito e saudável. O que impede que isso aconteça? Antes eu pensava que tinha tido uma má sorte por ter nascido com um corpo horrível. Ele sempre me fazia ter dores e furúnculos, e o que quer que eu comesse, me fazia engordar. Desde que adotei o crudivorismo, perdi cerca de 60 kg e tenho mais energia do que nunca na minha vida. Agora posso correr, pular e brincar. Eu amo meu corpo. No entanto, é o mesmo que eu tinha há oito anos atrás. O mesmo corpo que eu achava ter, por falta de sorte. O que mudou? Tirei a minha "cabeça programada" do caminho. Comecei a ouvir a linguagem do meu corpo em vez de ouvir a linguagem da minha mente. Como alimentos crus porque é o que meu corpo precisa. A única certeza para ser saudável é aprender a entender o que o corpo quer e precisa. Tudo o que temos a fazer é ouvi-lo e segui-lo. CAPITULO 3 - A Lei Vital da Adaptação O corpo de todo o ser vivo é destinado a lutar pela sua sobrevivência. Ele faz tudo para se pro- teger e preservar a espécie, não importa os obstáculos. Se o corpo tiver duas escolhas, uma, ser atingido podendo morrer, outra, sobreviver, ele sempre escolherá sobreviver. É a lei da sobrevi- vência. Temos vários exemplos que comprovam essa lei. Todo ser vivo se adapta ao seu ambiente. Por exemplo, os coelhos mudam a cor do pelo de mar- rom no verão, para branco no inverno. O propósito dessa mudança de cor é para a camuflagem nos campos durante o verão, e na neve durante o inverno, o que aumenta as chances de sobrevi- vência dos coelhos na luta contra os predadores. Se caírmos numa ducha bem quente de manhã, podemos queimar nossa pele. Porém, se entrar- mos aos poucos com a água morna e formos aumentando a temperatura gradualmente, pode- mos chegar a uma temperatura bem quente sem sentir nenhum desconforto. O corpo se adapta ao aumento gradual da temperatura. Depois de passar o inverno com os pés sempre calçados, nossos pés doem quando andamos12

------------------------

Suplementos

  • RIPP ABS

    Suplementos


    Noticia painel seguro